Especias Mixtli

Consejos | Trucos | Comentarios

Qual A Melhor PosiO Para Dormir?

Qual a posição mais saudável para dormir?

‘ O ideal é dormir de lado com o travesseiro apoiado na cabeça de modo que quem observa a pessoa deitada vê a cabeça alinhada com o resto da coluna. Não pode ser muito alto e nem muito baixo. De preferência com um travesseiro entre os joelhos’, recomenda o ortopedista do HCor Dr. Raphael Marcon, especialista em coluna.

Qual posição não se deve dormir?

Dormir de barriga para cima – Dormir de barriga para cima pode ser bom para algumas pessoas por ser uma posição que distribui bem o peso da coluna 9, Para outras, pode acabar piorando a dor na região lombar, principalmente quando a coluna não fica alinhada na cama 2,

O risco de roncar durante a noite também aumenta, uma vez que, nessa posição, a língua e estruturas da faringe são deslocadas para trás, o que dificulta a passagem do ar pelas vias aéreas 2, Essa, no entanto, pode ser uma segunda opção que você pode testar para evitar dores no pescoço 4, desde que ele esteja numa posição neutra, ou seja, alinhado com o curvamento natural da sua coluna 6,

Também pode ser a melhor posição para dormir para quem sofre com dor nos joelhos, A sugestão é colocar um travesseiro sob eles, para terem um bom suporte e impedir que os ossos se pressionem nas articulações desgastadas, em casos de artrite, por exemplo 6,

É melhor dormir do lado esquerdo ou direito?

Todos devem dormir do lado esquerdo? – Dormir do lado esquerdo é recomendado para a maioria das pessoas, mas existem certos casos em que a posição deve ser evitada: indivíduos com problemas cardíacos ou que tenham sofrido acidente vascular cerebral (AVC) devem optar pela direção oposta, ou seja, para a direita.

Por que dormir virado para o norte?

Usa a orientação dos pontos cardeais – O Feng Shui acredita que a orientação da cama em relação aos pontos cardeais pode influenciar na qualidade do sono. Por exemplo, dormir com a cabeça virada para o norte é frequentemente recomendado, pois esta posição está em harmonia com as forças magnéticas da Terra. No entanto, estas orientações podem variar dependendo das crenças pessoais e culturais.

É bom dormir sem travesseiro?

Dormir sem travesseiro pode causar dores nas costas – Sem apoio para a cabeça e o pescoço, sua coluna pode ficar desalinhada e pressionar os músculos das costas. O que pode causar dor e desconforto, principalmente se você tiver problemas nas costas. Além disso, dormir sem travesseiro pode fazer com que você acorde com dores de cabeça ou no pescoço.

Porque não pode dormir com os pés para a rua?

Afinal, porque não devemos dormir com os pés virados para a porta? – Wellness – Máxima Cada cultura tem as suas crenças, e embora algumas não passem de mitos, há sempre um fundamento para que se continue a acreditar nelas. Já alguma vez ouviu dizer que não devemos dormir com a cama numa posição que permita que os nossos pés fiquem virados para a porta do quarto ? Não está sozinha, há quem acredite que esta posição atrai a má sorte.

Mas o feng shui, uma arte que vem da China Antiga e que recorre às energias para harmonizar os indivíduos com o ambiente ao seu redor, tem uma explicação mais precisa quanto a esta crença (ou mito urbano). Segundo o feng shui, a cama é a peça de mobiliário mais importante da casa no que toca ao bem-estar, nomeadamente por se localizar numa zona da casa mais privada: o quarto,

Uma vez que provavelmente passamos mais tempo na cama do que em qualquer outro lugar da casa, é fundamental que a sua cama esteja numa posição favorável a que o nosso sono seja reparador e o nosso descanso tranquilo. Quase todas as variantes do feng shui concordam que uma cama que esteja virada para a porta se assemelha à posição «do caixão»,

Noutros contextos e épocas da História, acreditava-se que esta posição era mais favorável à invasão do inimigo, ou seja, qualquer pessoa seria um alvo fácil estando a dormir com a cama na direção exata da porta, e por isso esta deveria estar num lugar menos óbvio e mais recatado da visão imediata de quem entra no quarto,

Leia também De acordo com algumas religiões, sobretudo a católica, há mais razões para acreditar que esta posição é um mau presságio. Antigamente, quando os corpos dos falecidos eram velados em casa (no quarto), os pés eram a primeira parte a sair da divisão assim que os corpos eram retirados.

Ou seja, existem crenças que vão mais longe e acreditem que dormir com os pés virados para a porta atrai, de alguma forma, a morte. Voltando ao feng shui, os especialistas nesta prática de bem estar acreditam, também, que ter a cama nesta posição é desfavorável à circulação de energias. Por estar nesta posição, a cama recebe de forma imediata a energia vital da pessoa que entra, e essa energia pode não ser sempre 100% positiva.

Por essa razão, devemos eleger um sítio para a cama que não esteja tão exposto à porta. Junto a uma janela, por exemplo, ou em paralelo com a porta. Próxima Notícia Leia também Sabe as insónias, esse inimigo das noites de descanso? Cláudia Fonseca ensina-nos a incorporar pequenos rituais que vão fazer toda a diferença na nossa vida.

Vanda Boavida, professora e consultora de feng shui, e autora do livro Casa com Alma, explica como tornar os espaços mais harmoniosos e tranquilos. Ultimamente o stress e os problemas de sono têm emergido cada vez mais com a pandemia como tela de fundo Este livro ensina-nos a (milagrosa) técnica japonesa que promete ajudar a dormir.

Sabia que as plantas devem estar posicionadas a Este? Vanda Boavida, professora e consultora de feng shui e autora do livro Casa com Alma, explica como criar harmonia através dos verdes. A forma como dormimos tem um grande impacto na maneira como acordamos na manhã seguinte.

  • Dorme de costas? De barriga para baixo? Eis a resposta mais esperada para quem tem problemas de sono.
  • Já ouviu dizer que se vir um gato preto passar-lhe à frente, de noite, pode ser sinal de azar? Ou de sorte? Esta é apenas uma superstição entre várias que permanecem no nosso imaginário.
  • Nem todas as tendências do Tiktok podem ser levadas a sério.

Por isso mesmo, fomos perguntar a uma dermatologista se esta resulta e tem fonte de explicação científica. : Afinal, porque não devemos dormir com os pés virados para a porta? – Wellness – Máxima

Qual é a pior posição para dormir?

De acordo com as indicações da Unam, a posição de bruços é a pior posição para dormir que uma pessoa pode adotar. Ao dormir desta forma, com a cabeça inclinada para um lado, as curvaturas normais da coluna vertebral, especialmente da coluna lombar, são modificadas.

Faz mal dormir para o lado do coração?

Todos devem dormir do lado esquerdo? – Dormir do lado esquerdo é recomendado para a maioria das pessoas, mas existem certos casos em que a posição deve ser evitada: indivíduos com problemas cardíacos ou que tenham sofrido acidente vascular cerebral (AVC) devem optar pela direção oposta, ou seja, para a direita.

Por que não se deve dormir do lado direito?

postado em 11/10/2022 11:47 / atualizado em 11/10/2022 11:50 (crédito: stefamerpik/Freepik) Provavelmente você deve ter uma posição que mais gosta de dormir. Mas para além de ser a que mais gostamos, a forma como dormimos pode influenciar a qualidade do nosso sono. Dormir de lado é a posição favorita para as pessoas, segundo estudo publicado no Dovepress, o que é algo bom,

  1. Ainda de acordo com a pesquisa, durante o sono, o nosso corpo ajusta a posição caso tenha alguma dor ou desconforto.
  2. Como o estômago está do lado esquerdo do corpo, dormir deitado desse lado pode ajudar com que o conteúdo desse órgão fique parado devido a ajuda da gravidade.
  3. Se estiver deitado do lado direito, a posição pode levar a pessoa a sofrer de refluxo ácido.

Isso ocorre quando o conteúdo do estômago volta para o esôfago, que pode levar a desconfortos. Para reduzir o risco, é importante esperar um tempo após comer até a hora de ir deitar. Dormir virado para o lado esquerdo também pode trazer benefícios para o cérebro.

  1. Segundo estudo feito na Universidade de Stony Brook e na Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, essa posição beneficia a drenagem linfática do sistema nervoso central.
  2. No entanto, dormir do lado direito ajuda pessoas que sofrem de apneia do sono.
  3. Dormir do lado direito diminui a frequência de eventos respiratórios obstrutivos em pessoas que sofrem com casos moderados e graves da doença, segundo pesquisa.

Embora existam argumentos para dormir tanto virado para esquerda quanto para direita, dormir de bruços parece não ser uma boa opção. De acordo com o Sleep Foundation, essa posição causa um aumento na pressão intraocular, o que pode levar a casos de glaucoma e problemas de visão.

Qual é o fator negativo de dormir de lado?

Quem ronca e sofre com a apnéia do sono, a posição de lado é a melhor, pois, as vias aéreas abertas ajudam a reduzir o ronco e aliviar a apnéia leve. Pra quem tem refluxo e azia, a posição de lado e para o lado esquerdo vai esfriar a queimadura. Já dormir sobre o lado direito pode piorar os sintomas.

Como devemos dormir segundo a Bíblia?

Segundo estatísticas, nós passamos um terço da nossa vida dormindo – considerando a expectativa de vida do brasileiro de 73 anos, o que equivale a 24 anos e três meses dormindo. Em Efésios, capítulo 5, verso 14 diz assim: «Pelo que diz: desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará».

Nesse versículo não está falando especificamente sobre o sono físico, mas o sono espiritual. Deus criou o sono, e tudo o que Ele faz é bom, é glorioso. O sono é uma bênção que recebemos de Deus, é um tempo de descanso, de renovo do nosso corpo físico, o que nos ajuda a lidar com as pressões do dia a dia.

A melhor posição para dormir para quem tem DESVIO DE SEPTO NASAL

Muitas pessoas que não desfrutam da bênção do sono, sofrendo com insônias, o que acaba interferindo da qualidade de vida delas, mas se você tem essa bênção, desfrute dela e confie em Deus para abençoá-lo com o sono. Durante o sono, o Senhor trabalha a nosso favor e mesmo quando não conseguimos dormir, Deus pode ter um propósito em manter-nos acordados.

O Salmo 3, verso 5, diz assim: «Deito-me e pego no sono; acordo, porque o Senhor me sustenta». Existe na realidade duas bênçãos sobre o sono: a de dormir e a de acordar. O Senhor nos sustenta, não apenas quando estamos acordados, mas também quando estamos dormindo. O versículo 8, do Salmo 4, diz assim: «Em paz me deito e logo pego no sono, porque, Senhor, só tu me fazes repousar seguro».

Devemos sempre orar a Deus, pois por meio da oração pode-se dizer que passamos por um «banho» espiritual, somos muitas vezes limpos de mágoas, tristezas e pecados e assim podemos repousar em paz. O salmista disse: «Em paz me deito»; para deitarmos em paz é preciso que estejamos primeiramente em paz com o Senhor e com o nosso próximo.

Quando nos deitamos com o coração cheio de amargura e de culpa, falta de perdão, sem pedir ou dar perdão, o sono não chega. «Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dormem». (Sl 127.2). Deus trabalha a nosso favor.

Muitas vezes acreditamos que estamos trabalhando para Deus, é como um pai que vai ao supermercado com seu filho pequeno e o deixa segurar um lado da sacola. A criança pensa que está carregando o peso, mas quem realmente carrega é o pai. Da mesma forma acontece com Deus em relação a nós.

  1. Achamos que estamos carregando o peso, quando, na verdade, Ele é quem está carregando.
  2. Não te assustarás do terror noturno, nem da seta que voa de dia «.
  3. Salmo 91.5) O que são esses terrores noturnos? São as investidas do diabo, setas do maligno tentando nos atingir.
  4. Quando entendemos que a nossa vida está nas mãos do Senhor, os pesadelos, as influências e as setas malignas não nos assustam; essa é uma promessa para o nosso coração.
See also:  Quando A Semana Do Consumidor?

Querido (a), precisamos escolher viver a realidade da Palavra do Senhor! Em Provérbios, capítulo 3, verso 25, lemos: «Quando te deitares, não temerás; deitar-te-ás, e o teu sono será suave». Quando uma pessoa dorme e tem pesadelos, sonhos tumultuados, acorda mais cansada do que estava antes de dormir.

Muitas vezes pregamos sobre Pedro, quando ele negou Jesus e sobre a restauração que recebeu, mas houve um momento em que Pedro foi preso por causa do seu testemunho em seguir Jesus. Enquanto estava na cadeia, acorrentado pelas mãos, do lado de fora se encontravam os soldados de prontidão. Muitos deles perseguiam a Pedro com gritos, mas diz a Palavra que Pedro dormia.

Pedro seria morto no dia seguinte, estava acorrentado com 16 soldados o guardando. Pedro seria morto no outro dia, mas ele dormia tranquilo até que Deus mandou um anjo acordá-lo, e ele foi libertado. Precisamos descansar no Senhor, Ele tem o controle, seja qual for as circunstâncias.

Qual o melhor lugar para colocar a cama no quarto?

Dicas para posicionar a cama em quartos grandes ou pequenos Qual A Melhor PosiO Para Dormir O ambiente é confortável, com uma cama ampla, base clean e toques étnicos, com texturas e cores. Luminárias Flavia Del Pra e objetos decorativos da Dpot Objetos e K&D Ideias Legais. Almofadas da Futon Company e Dpot Objetos. Mesa de cabeceira des. Projeto do arquiteto Rafael Leão, do Studio 3.7 (Foto: Gisele Rampazzo / Divulgação) Esteja você se mudando para uma nova casa ou reformando, decidir o do seu quarto pode ser uma tarefa difícil.

Então, onde exatamente é o lugar perfeito para colocar sua ? Confira as dicas abaixo: 1. No centro

O lugar ideal para posicionar uma cama é geralmente considerado bem no centro da mais longa do quarto. Por ser a peça de mobiliário mais importante, a cama deve ser o ponto focal e este posicionamento a coloca em destaque. Dessa forma, também deixa um espaço maior para as em ambos os lados, o que cria uma sensação de equilíbrio. Qual A Melhor PosiO Para Dormir O armário desenhado pelo arquiteto Leo Romano funciona como uma moldura para a cama. Fazer um projeto de marcenaria na parede da cabeceira é uma ótima ideia para quartos pequenos (Foto: Victor Affaro / Editora Globo) 2. De canto Colocar a cama em um dos cantos do quarto, encostando em duas, pode ser uma solução viável para quartos menores ou quando se quer evidenciar outros elementos do cômodo. Qual A Melhor PosiO Para Dormir O azul das paredes e do teto foi criado pelo escritório Studio 92 para ficar igual ao MDF azul da Duratex usado na marcenaria planejada. A cama do jovem foi colocada em uma espécie de caixa (Foto: Nathalie Artaxo / Divulgação) 3. Embaixo da janela Esta posição é sempre alvo de controvérsias.

Ao mesmo tempo em que parece harmonizar o quarto e cria um clima romântico e iluminado, o posicionamento bloqueia a visão do lado externo. «Corrente de ar, luminosidade, barulho e um difícil acesso à acabam atrapalhando o sono e dificultam a do ambiente», alertam os profissionais do do Studio Davini Castro,

Coloque cortinas grossas para bloquear o excesso de luz durante o sono e opte por uma cabeceira baixa para permitir a entrada de bastante durante o dia. Qual A Melhor PosiO Para Dormir Esta casa na árvore de 300 m² foi inspirada no formato da nave Millennium Falcon, do filme Star Wars. As janelas do quarto principal são inspiradas na parte de trás da nave (Foto: Reprodução / housebeautiful) 4. Em oposição à porta No, a relação entre a cama e a porta do quarto é bastante importante. Qual A Melhor PosiO Para Dormir Posicionamento da cama e demais móveis é importante para garantir a boa circulação no quarto. Projeto do Studio Davini Castro (Foto: Studio Davini Castro / Divulgação) 5. Como uma ilha Se o espaço está sobrando e você deseja um layout exclusivo, considere usar sua cama para criar uma «ilha» no meio do quarto.

  • A vantagem está na ausência de paredes, o que facilita o acesso e a arrumação, gerando um fluxo ao redor do quarto.
  • Para dar mais ao local, adicione uma cabeceira ou coloque-a sobre um,
  • Dependendo do tamanho do ambiente, uma cama de casal pode ser posicionada no meio do quarto, de frente para um, por exemplo.

Ela pode ainda ficar na frente do armário principal, onde um painel baixo ao longo da cabeceira funciona como uma limitação para o espaço do «, sugere Rogério Castro. Qual A Melhor PosiO Para Dormir Casa de 495 m² em Quirinópolis, Goiás. O arquiteto Leo Romano desenvolveu a marcenaria com madeira louro pardo. Refletido no espelho, um aparador é acompanhado de painel com palhinha (Foto: Edgard César / Divulgação) Dica bônus: cabeceiras Além do posicionamento correto da cama, uma forma de trazer conforto para os quartos é apostar nas corretas para cada ambiente. Qual A Melhor PosiO Para Dormir O designer de interiores Marcel Steiner transformou o biombo em cabeceira neste quarto, com visual sóbrio (Foto: Marcelo Magnani / Editora Globo) leia mais 13 dicas para decorar kitnet muito pequena e ganhar espaço Apartamento para alugar: 6 ideias de como decorar e cativar inquilinos 6 cuidados que se deve ter ao instalar o ar-condicionado na sala : Dicas para posicionar a cama em quartos grandes ou pequenos

Pode dormir com a cabeça virada para porta?

Evita a exposição direta à porta – De acordo com o princípio do, uma antiga prática chinesa de harmonização dos espaços, posicionar a cama de frente para a porta é considerada desfavorável. Esta posição pode gerar uma sensação de vulnerabilidade, interferindo na qualidade do sono,

Qual o lado da cama que o casal deve dormir?

Artigo Especialização hemisférica cerebral e assimetraias comportamentais: o lado da cama tem gênero? Cerebral hemispheric specialization and behavioral asymmetries: does the side of bed have a gender? Katsumasa Hoshino; Sandro Caramaschi; Ana Claudia da Silva; Lílian Daltro Michelan Faculdade de Ciências – Universidade Estadual Paulista Endereço para correspondência RESUMO Dados acerca do lado da cama onde as mulheres dormem foram coletados para subsidiar a validade de um projeto amplo para determinar se esta atividade é lateralizada. Informações a respeito do lado que ocupam na cama de casal, sua lateralidade manual, o tempo de convívio do casal e outros itens adicionais foram coletados em amostra de 229 mulheres com idades de 20 a 65 anos. As frequências totais de ocupação nos lados da cama se mostraram estatisticamente equivalentes, porém o lado esquerdo mostrou ser significantemente (Χ 2 = 5,44, 1 g.l., p<0,05) mais escolhido (70%) nos casos em que a escolha foi feita espontaneamente (i.e, não determinada por fatores impositivos). Conclui-se que os dados indicam a validade da pesquisa proposta que se insere na linha de estudos dedicados à compreensão dos mecanismos de funcionamento do sistema nervoso central. Palavras-chave: Dominância lateral. Especialização hemisférica. Diferenças de gênero. Emoções. ABSTRACT Data relative on the side occupied by females in double beds were collected in order to evaluate the feasebility to carry-out a more extensive study to determine if this behavioral pattern is lateralized. Information relative to the side occupied in the bed, manual lateralization, how long lived togheter, and other related questions were collected in a sample of 229 women aged from 20 to 65 years old. Total frequencies of the bed side occupied showed to be equivalent, however, the left side showed to be chosen significantly more (70%)(Χ 2 = 5.4; 1 d.f.; p<0.05) when the choice was stated to be spontaneous (i.e, not determined by an impositive factor). It is concluded that the obtained data give favourable support to an extensive study on the subject, which inserts into the area of research devoted to the understanding of the functional characteristics of central nervous functioning. Keywords: Lateral dominance. Hemispheric specialization. Emotions. Gender differences. A lateralização, observada em pessoas e em outras espécies de animais, é o uso preferencial de um dos lados do corpo, principalmente os membros, para a efetivação dos atos motores emitidos com frequência. A ocorrência de lateralização em um número grande de espécies sugere que seja adaptativa. A solução de problemas ambientais requer respostas motoras rápidas, destras e fortes. A lateralização na tilápia (Oreochromis niloticus), um peixe de água doce que tem 25% de canhotos, 25% de destros e 50% de ambidestros (Gonçalves, 1989), permite o giro rápido de seu corpo, sempre para um mesmo lado em um indivíduo, mesmo que o ataque recebido seja pela direita ou pela esquerda de seu corpo, e resulta na esquiva eficiente às tentativas do coespecífico arrancar as escamas para estabelecer hierarquia de dominância (K.Hoshino, observações não publicadas). Esta predominância de rotação pode ser observada em humanos, nos quais 77% das pessoas giram a cabeça e parte do corpo quando se beijam na face (Barret, Greenwood & McCullan, 2006). A maior força conferida pela lateralização humana a um dos braços é determinante do seu uso preferencial na luta ou manejo de armas para a caça e defesa. O valor adaptativo da lateralidade faz com que ela seja garantida por herança biológica, pela história ontogenética individual e pelo ambiente cultural. Assim, mecanismos genéticos determinam que uma parcela das pessoas seja destra enquanto uma minoria é sinistra (canhota). O modo das pessoas cruzarem seus braços sobre o peito, com o braço direito sobrepondo o esquerdo ou vice-versa, é um exemplo de lateralização decorrente da história individual. Neste caso, o modo como os braços são sobrepostos nas primeiras vezes se fixa pela aprendizagem e se torna um padrão individual. A cultura ocidental determina que o cumprimento com o aperto de mãos se faça com a mão direita, cuja contração induz maior assertividade, afetos e julgamentos positivos (Harmon-Jones, 2006). Esta multiplicidade de exemplos de assimetria comportamental se deve, segundo Luria (1981), a uma das leis fundamentais de funcionamento do sistema nervoso, que é a lateralização. A manifestação lateralizada de muitos comportamentos levou a postular, no passado, que um dos lados do cérebro possui dominância funcional sobre o outro e exerce o comando da execução das ações no lado contralateral do corpo. Hoje, vê-se a lateralidade como resultante das especializações funcionais herdadas e adquiridas por cada um dos lados do sistema nervoso, nos níveis sensorial, central e nos efetores visceral e motor. Um dos olhos é dominante em relação ao outro, o acoplamento do telefone se faz em um dos ouvidos e, segundo Tan e Tan (1995), na velocidade de condução do impulso nervoso no nervo ulnar e mediano do lado esquerdo das mulheres. Centralmente, o hemisfério direito é mais especializado para tarefas não verbais, é sintético, lida mais com coisas concretas, utiliza mais raciocínio analógico, é não temporal, é espacial, intuitivo e holístico, enquanto o esquerdo é verbal, analítico, simbólico, abstrato, temporal, digital, lógico e linear (Brandão, 1995). O funcionamento conjugado dos dois hemisférios se dá através do corpo caloso, que é relativamente mais espesso nas mulheres (DeLacoste-Utamsing & Holloway, 1983; Hoptman & Davidson, 1994) e resulta em algumas diferenças de gênero na emissão das respostas motoras. A prevalência de ocorrência de distúrbios psicossomáticos no lado esquerdo do corpo indica maior envolvimento do hemisfério direito no processamento das informações emocionais (Min & Lee, 1997). A lateralização das atividades motoras é fenômeno de constatação empírica, tal como a vista para a escrita. Entretanto, as diferenças de gênero, tal como o uso preferencial do braço esquerdo para propiciar conforto, são menos conhecidas. Horton (1995) mostrou que um número maior de mulheres destras pega ursos de pelúcia com a mão esquerda quando se lhes conta que eles estão precisando de conforto por estarem desamparados, enquanto elas usam a mão direita quando se trata de bolas. As observações precisas dos comportamentos lateralizados proporcionadas pela Psicologia e pela Etologia, muitas vezes, parecem ser curiosidades irrelevantes à primeira vista quando estão desinseridas de seus contextos. É o caso da maior tendência feminina de segurar os bebês (ou substitutos) no lado esquerdo de seu colo ( cradling bias, CB) que, segundo Harris (2002), foi inicialmente constatada por Salk em 1962, e é observada em 60 a 85% das mulheres. Estas descrições são, entretanto, extremamente importantes, pois são necessárias às pesquisas que visam o estabelecimento dos mecanismos neurais que organizam os comportamentos e, por extensão, conduzem ao entendimento das alterações na lateralização que Lauerma et al.(1994), Lohr e Caligiuri (1995) e Zivotofsky et al. (2007) apontam existir nos portadores de desordens mentais. Supõe-se que o CB seja geneticamente determinado ou fruto de aprendizado com as mães e outras mulheres aparentadas (Manning & Denman, 1994), podendo ser constatado já em crianças de três anos (Souza-Godeli, 1996). O viés é visto também em homens, mas menos que nas mulheres, aumenta com a idade, mas não tem influência da experiência de ter lidado previamente com bebês ou de serem pais (van der Meer & Husby, 2006). As hipóteses correntes relativas à causa do CB, segundo Sieratzki e Woll (1996), são: a propriedade calmante dos sons cardíacos maternos; lateralização manual; a sensibilidade do seio materno esquerdo; fatores sóciopsicológicos e vantagens de monitoramento dos bebês. A hipótese de que a mães aprenderiam a carregar os seus bebês do lado esquerdo do corpo porque os sons cardíacos maternos têm propriedade calmante se deve a Salk (1960). Van der Meer e Husby (2006), entretanto, defendem a hipótese de que a dominância manual é que determina o CB. Segundo estes autores, a preferência materna de segurar os bebês com a mão esquerda é para deixar a do lado dominante livre para a execução de outras tarefas. As observações de Tomaszycki et al. (1998) de que os filhotes recém-nascidos de macacos rhesus têm uma frequência maior de relações com o mamilo esquerdo da mãe e que esta os transporta mais vezes segurando-os com o braço esquerdo, levou-os a acreditar que a origem do CB se deriva desta característica. Sieratzki e Woll (2002) postulam que o CB seria decorrente da assimetria inter-hemisférica para o apego social e comportamento de comunicação. O hemisfério direito (HD) que recebe as informações do campo visual esquerdo, seria especializado na comunicação emocional (melodia da fala, sorrisos, sinais e afagos) e determinaria o CB para o monitoramento das expressões faciais emocionais do bebê. A voz materna acalma mais as crianças quando elas são seguras no lado esquerdo da mãe do que no direito. Duda e Brown (1984) mostraram que as informações de rostos alegres são reconhecidas mais rapidamente quando apresentadas no campo visual esquerdo para serem processadas no HD, mas as informações de rostos tristes não têm esta diferença de campo visual. As mulheres são superiores aos homens no reconhecimento dos estímulos emocionais da face quando apresentadas no campo visual esquerdo, e são mais precisas em reconhecer faces tristes. Rodway, Wright e Hardie (2003) encontraram maior discriminação de faces com expressões emocionais negativas quando apresentadas no campo visual esquerdo (processamento no HD), enquanto a discriminação de emoções positivas foi mais precisa quando apresentadas no campo visual direito (processamento no hemisfério esquerdo - HE). Esta assimetria configura um viés para emoções positivas no HE feminino (van Strien & van Beek, 2000). A diversidade de hipóteses relativas à causa determinante do CB indica a necessidade de estudos adicionais para estabelecimento da validade de uma delas. Uma estratégia possível nesta direção é a de se procurar situações de lateralização onde um ou mais fatores atribuídos como causa do CB estejam ausentes. A avaliação de situações reais com estas características indica a possibilidade do lado da cama de casal ocupado pelas mulheres revelar dados significativos. Em geral, esta situação envolve alguns aspectos das hipóteses de causação da CB, tais como a existência de apego entre os protagonistas, a liberdade de um dos braços em caso de rotação do corpo para a visualização do parceiro, enquanto, neste caso, a imagem do parceiro fica no centro do campo visual. O presente trabalho objetiva analisar os dados de uma sondagem inicial que avaliou se o lado em que as mulheres ocupam na cama de casal é um fenômeno lateralizado e, com isto, justificar a validade de realização de pesquisa futura em amostra populacional ampla e representativa para esclarecer sua possibilidade em contribuir para o entendimento do CB e, por extensão, dos padrões de atividade funcional do hemisfério direito feminino. Método As informações relativas ao lado da cama em que dormem foram coletadas em 229 mulheres, recrutadas aleatoriamente em diferentes ocasiões e ambientes. Esta coleta se fez individualmente e os critérios de inclusão foram idade igual ou superior a 20 anos, entendimento das instruções e o fornecimento de informações pertinentes quando solicitadas. O projeto inicial foi devidamente e aprovado pelo Comitê de Ética da Instituição dos pesquisadores e todos os participantes assinaram termo de consentimento livre e esclarecido para participação na pesquisa. Inicialmente, foi definido como lado direito da cama aquela metade em que o braço direito fica mais próxima da borda lateral quando a pessoa se deita de costas e no sentido longitudinal normal do leito conjugal. O lado contrário foi considerado como esquerdo. Foram consultadas 112 pessoas com uso de um questionário impresso, com questões padronizadas e respostas em forma de alternativas ou com possibilidade de responder de forma aberta em caso da falta de alternativas compatíveis. As questões versavam a respeito da idade, do tempo de convivência com o companheiro, o lado em que dormem na cama e a lateralidade manual. Para que não houvesse erros de interpretação, o lado da cama foi assinalado em desenho esquemático mostrando a superfície da cama com seus dois travesseiros junto à cabeceira. Em virtude dos dados apenas sugestivos da prevalência de escolha de um dos lados em função da idade, outras 117 pessoas foram entrevistadas para o levantamento de informações adicionais a respeito da troca do lado de dormir, se gostam do lado em que dormem, o motivo da escolha e a razão da troca em caso desta ter ocorrido. Os questionários foram entregues após uma entrevista inicial para indagação da disponibilidade em colaborar, explicação dos objetivos da pesquisa e agradecimentos antecipados. Explicações verbais foram dadas em caso de dúvida das entrevistadas. O penúltimo item relativo à razão de ter escolhido o lado em que dorme ofereceu as alternativas: a) foi escolha que aconteceu sem pensar; b) foi decido por mim porque prefiro este lado; c) meu parceiro foi quem decidiu; d) porque gosto de deixar minha mão direita livre; e) porque gosto de deixar minha mão esquerda livre; f) porque quem é importante fica do lado direito; g) por outro motivo (favor explicar). Constatou-se na análise dos dados que algumas pessoas deixaram de responder um ou dois itens do questionário, porém, nenhuma das questões deixou de ter menos de 95% de respostas. Os dados válidos obtidos foram tabulados em tabelas de frequência e testes de qui-quadrado, com a correção de Yates se necessário, foram aplicados para estabelecimento da significância em caso de comparações. Análise de variância de uma via foi aplicada na comparação das médias dos tempos de convivência. O nível de significância em todos os testes foi estabelecido como sendo 0,05. Resultados A análise da amostra revelou que a idade máxima das entrevistadas foi de 65 anos, com mediana de 32 anos e 2 meses. O tempo de vida conjugal desta amostra variou de 3 meses a 45 anos. Foram constatadas 210 destras, 17 canhotas, uma se declarou ambidestra e houve um caso de esquecimento da resposta. Um total de 125 mulheres disse dormir do lado esquerdo da cama, enquanto 104 disseram ocupar o lado direito. Estas frequências mostraram-se equivalentes na análise estatística. Duas das mulheres que assinalaram dormir do lado esquerdo anotaram que o lado de dormir é determinado pelo primeiro que deita, variando constantemente. A diferença entre as frequências de mulheres que dormem do lado direito em relação às que dormem no lado esquerdo não se mostrou significante estatisticamente. A frequência de mulheres que dormem do lado direito e do lado esquerdo da cama em função da faixa etária está apresentada na Tabela 1. Embora se constate uma ligeira predominância das frequências constatadas do lado esquerdo nas faixas etárias iniciais, e uma inversão aos 44-47 anos, a comparação entre as frequencias totais de ocupação do lado direito e esquerdo da cama mostrou que são estatisticamente equivalentes. A distribuição de frequência percentual do lado da cama ocupado pelas mulheres em função do tempo de convívio, mostrada na figura 1, configura o mesmo aspecto. O tempo médio ± desvio-padrão de convívio das mulheres que dormem do lado esquerdo da cama foi de 12,1 ± 8,9 anos e de 12,4 ± 9,7 anos nas que dormem do lado direito. A diferença não se mostrou significante na análise de variância aplicada. Tabela 1. Distribuição de frequência absoluta e percentual (%) das mulheres que dormem do lado esquerdo e do lado direito da cama de casal em função da faixa etária. Teste de qui-quadrado, p>0,05. Tabulando-se a frequência das mulheres que dormem em cada um dos lados da cama com a sua lateralidade manual, tem-se que dentre as destras, 111 dormem do lado esquerdo (incluindo um caso de ambidestria e um sem lateralidade indicada), enquanto 101 dormem do lado direito. A distribuição das 17 canhotas é de 11 que dormem do lado esquerdo e 6 no lado direito. A pessoa ambidestra assinalou que dorme do lado esquerdo. A aplicação do qui-quadrado de independência mostrou que o lado da cama usado é independente da lateralidade manual. O questionário ampliado mostrou que 73 dentre as 104 mulheres sempre dormiram no mesmo lado da cama e 31 delas trocaram de lado. A diferença das mulheres que sempre dormiram em um único lado mostrou ser significantemente maior (Χ 2 = 15,0, 1 g.l., p<0,05). Dentre as que sempre dormiram em um único lado, 41 dormem do lado direito e 30 do lado esquerdo, diferença esta estatisticamente não significante. Dentre as 31 que mudaram de lado, 12 dormem atualmente do lado direito e 19 do esquerdo. Estas diferenças também não mostraram ser estatisticamente significantes. A frequência de mulheres que mudaram de lado na cama em função do tempo de convivência mostrou que 24% ocorrem na faixa de 1 a 5 anos, 32% de 6 a 10 anos, 26% de 11 a 15 anos, de 9% de 16 a 20 anos e 9% acima dos 21 anos. A tabela 2 mostra que as pessoas que mudaram para o lado direito da cama é equivalente às que mudaram para o esquerdo, e que as pessoas destras que trocaram o lado, em sua maioria (87%), gostam do lado em que estão atualmente. A satisfação com o lado ocupado também se verifica em 90% das pessoas que sempre dormiram do mesmo lado. É interessante notar, embora a amostra reduzida não permita teste estatístico, que as mulheres canhotas que ocupam o lado direito estão satisfeitas, enquanto a maioria daquelas que ocupam o lado esquerdo não estão. Tabela 2. Distriuição de frequência da satisfação do lado ocupado na cama. Dados em função de se mudaram ou não o lado escohido, lado atualmente ocupado e da lateralidade manual. D = destras, C = canhotas, DC = soma destras e canhotas DE = direito + esquerdo. A tabela 3 mostra a frequência percentual das razões alegadas para a escolha do lado ocupado na cama pelas mulheres. A frequência de ocupação do lado esquerdo da cama quando a escolha foi feita sem pensar (i.e, sem a existência de fatores impositivos), é estatisticamente significante (qui-quadrado = 5,44, 1 g.l., p<0,05). Pode-se ver, ainda, que 35 mulheres decidiram o lado de dormir, enquanto apenas 12 homens o fizeram. Esta predominância feminina (75%) na determinação do lado a ocupar na cama mostrou ser significante (Χ 2 = 11,2; 1 g.l., p<0,05). Os outros motivos de escolha incluíram diferentes razões, algumas indiferenciáveis das razões de mudança. O número de mulheres que alegaram motivos outros de escolha, não constantes do questionário, foi significantemente maior (Χ 2 = 4,05, 1 g.l., p<0,05) nas que dormem do lado esquerdo. A proteção que o marido deve dar, dormindo mais próximo à porta, foi apontada por duas mulheres como a razão da escolha. Tabela 3. Razões de escolha do lado da cama. Frequências percentuais, *teste qui-quadrado, significantemente maior que a frequência do lado direito correspondente (p<0,05). Figura 1. Distribuição de frequência percentual das mulheres que dormem do lado direito e do lado esquerdo na cama de casal em função dos anos de convivência. * indica diferença significante da proporção em relação à faixa de 21 e mais anos (Χ 2 = 4,36, 1g.l., p= 0,037).

  • A razão prevalente de mudança foi a maior facilidade para ir cuidar dos bebês (6 casos), seguida pela mudança de casa (3 casos), proximidade de telefone, porta, TV (3 casos), problema médicos e gravidez (2 casos).
  • Discussão A escolha do lado da cama é lateralizada O dado geral do estudo realizado indica que o número total de mulheres que dormem do lado esquerdo da cama é estatisticamente equivalente ao daquelas que dormem do lado direito.

Embora esta equivalência leve à sugestão de que o lado da cama escolhido é populacionalmente um evento totalmente aleatório e equiprovável, a ocupação do lado esquerdo por um número significantemente maior de mulheres, nos casos em que a escolha do lado de ocupação na cama foi feita espontaneamente, é indicação convincente de que existe viés de gênero na ocupação da cama.

Como se viu (tabela 3), cerca de 70% das escolhas feitas sem pensar foram feitas para o lado esquerdo. As escolhas sem pensar representam escolhas isentas de razões interferentes detectáveis, e isto parece tornar possível a emergência da lateralidade. Um corolário desta conclusão seria a de que deveria haver um maior número de mulheres insatisfeitas com o lado direito nestas ocupações feitas sem premeditação.

Infelizmente esta hipótese não pôde ser testada, visto que o gostar do lado em que dormem é determinado pelo hábito, fato este constatável pela satisfação em praticamente todas as mulheres destras da amostra. Este desenvolvimento do gostar com o tempo encontra subsídio nos dados de Teixeira e Paroli (2000) e Teixeria (2006), que evidenciam de modo oportuno em um panorama onde prevalece a visão do determinismo hereditário, a plasticidade dos comportamentos lateralizados.

See also:  Dor No Joelho O Que Pode Ser?

As três mulheres insatisfeitas com o lado que ocupam na cama, mostrados na Tabela 2, são casos de pessoas que dormem do lado direito por determinação dos parceiros (2 casos) e para cuidar do bebê (1 caso). Esta insatisfação pode ser atribuída à falta de expressão da lateralização. O fato do maior número de canhotas que dormem do lado direito estarem satisfeitas, enquanto aquelas que dormem do lado esquerdo não estão, é também sugestivo de que a falta de atendimento à lateralização, invertida no caso delas, gera insatisfação.

O fator comum do CB e da lateralização no lado de dormir A possibilidade do lado ocupado na cama ser uma manifestação lateralizada em virtude do processamento afetivo do hemisfério direito do cérebro encontra subsídios que a fundamentam. A ocupação do lado esquerdo da cama de casal permite que o braço esquerdo fique livre quando se gira o corpo para ficar frontalmente ao parceiro.

Este braço propicia as expressões emocionais do hemisfério esquerdo, tal como o de conforto/proteção demonstrado por Horton (1995) e está em concordância com a maior especialização emocional do hemisfério direito feminino, apontada por Duda e Brown, (1984), Manning e Chamberlain (1991), Sieratzki e Woll (2002).

Tais dados levam a considerar a possibilidade de ampliar os conhecimentos a respeito da atividade funcional do hemisfério direito feminino. A possibilidade da escolha feminina pelo lado esquerdo da cama ser determinada para possibilitar o uso do braço esquerdo em suas manifestações de afeto e cuidado para o companheiro, pode indicar que o hemisfério direito delas não tem especialização exclusiva para emoções negativas, como sugerida pela hipótese da valência específica.

  1. Esta hipótese postula que o hemisfério direito processaria emoções negativas, enquanto o esquerdo, as emoções positivas (Rodway, Wright & Hardie, 2003).
  2. Por outro lado, a consolidação deste viés como manifestação da especialização hemisférica direita pode trazer como decorrência a necessidade de investigar se a escolha do lado esquerdo da cama pelas mulheres não é uma adaptação do CB para adultos, já que ambos parecem depender do vínculo afetivo e dos mecanismos funcionais do hemisfério direito.

Os fatores que mascaram a evidenciação do fenômeno A indicação de lateralização na escolha do lado de ocupação na cama não parece contraditória frente à falta de significância entre as frequências totais do lado de ocupação da cama. Esta discrepância decorre, seguramente, do envolvimento de vários fatores na determinação do lado ocupado na cama, dentre os quais alguns são sinérgicos e outros antagônicos à lateralização.

Este fato é facilmente observável no rol de causas determinantes da escolha do lado. Um fator possível a ser considerado é o uso prevalente do hemisfério cerebral esquerdo masculino, que determina uma dependência maior de uso do braço direito para as suas atividades, inclusive de interação com as companheiras.

O tolhimento relativo deste braço, quando ocupa o lado esquerdo da cama, pode ser o fator determinante para sua instalação no lado oposto, ao menos no período de apego mais intenso. A constatação de que o número de homens que influenciaram na decisão do lado de dormir é menor que a de decisões feitas pelas mulheres (Tabela 3) indica que este fator desempenha papel coadjuvante na determinação do lado ocupado pelas mulheres na cama.

A citação explícita de que a razão da escolha foi determinada pela necessidade do homem proteger a sua mulher sugere que este fator é concorrente com da expressão lateralizada, embora tenha sido declarada por apenas duas mulheres. Este comportamento, cuja eficácia é conferida pela maior probabilidade de interceptação do inimigo, foi extremamente adaptativo no passado (Pease & Pease, 2000) e foi mantido como herança evolucionária, que pela segurança relativa da vida nas sociedades modernas, o tornou pouco conhecido.

O lado de ocupação da cama em função da idade. Os dados da Tabela 1 mostram que, após uma equivalência inicial, existe uma ligeira predominância da ocupação do lado esquerdo da cama nas faixas dos 24-43 anos de idade e uma inversão e perda desta prevalência na faixa dos 44-47 ou mais anos.

Esta configuração não parece ser devida a uma variação aletória decorrente do pequeno número amostral ou da amplitude do intervalo das faixas etárias, pois o mesmo quadro se mantém quando a frequência de ocupação dos lados da cama é tabulada em função do tempo de conviência com a amplitude do intervalo de anos aumentada para 5 anos.

Esta prevalência inicial do lado esquerdo pode ser a expressão da lateralização amortecida pela existência de outros fatores determinantes. Corrobora tal interpretação, a observação de que o envelhecimento está associado à deterioração das habilidades motoras do lado dominante, conforme mostram Kalish et al.

2006), e tal possibilidade sugere a adequação da análise dos dados do lado de ocupação da cama em função das faixas etárias ou tempo de convívio no estudo em uma amostragem mais ampla. Este declínio da dominância pode estar associado sinergicamente ao arrefecimento da intensidade da ligação afetiva, após os anos iniciais de convívio.

A análise global dos dados e interpretações feitas levam a aceitar que o lado de ocupação da cama pelas mulheres é lateralizado, e que esta lateralização é evidenciável apenas quando se excluem outros fatores determinantes mais impositivos. A avaliação destes determinantes, tais como idade e intensidade da ligação afetiva, devem ser pontos importantes de monitoramento na pesquisa do fenômeno.

  1. Esta asserção leva à conclusão de que é válida a proposta de um estudo amplo a respeito da lateralização do lado de ocupação da cama pelas mulheres, e tal conclusão mostra que o objetivo do presente trabalho foi alcançado.
  2. Agradecimentos Os autores agradecem a colaboração de Sofia H.
  3. Ramos, Marina Gangiani, Ingrid Campregher e Fernanda Marreta na elaboração e teste prévio do questionário utilizado no presente trabalho.

Referências Barret, D., Greenwood, J.G., & McCullan, J.F. (2006). Kissing laterality and handedness. Laterality, 11, 573-9. Brandão, M.L. (1995). Psicofisiologia, São Paulo: Atheneu. DeLacoste-Utamsing, C., & Holloway, R.L. (1983). Sexual dimorphism in the human corpus callosum.

Science, 216, 1431-2. Duda, P.D., & Brown, J. (1984). Lateral asymmetry of positive and negative emotions. Cortex, 20, 253-261. Gonçalves, E. (1989). Determinação da assimetria funcional em tilápia (Oreochromis niloticus), Monografia, Instituto de Biocências, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP.

Harmon-Jones, E. (2006). Unilateral right-hand contractions cause contralateral alpha power suppression and approach motivational affective experience. Psychophysiology, 43, 598-603. Harris, L.J. (2002). Lateral biases for holding infants: early opinions, observations, and explanations, with some possible lessons for theory and research today.

Brain and Cognition, 48, 392-394. Hoptman, M.J., & Davidson, R.J. (1994). How and why do the cerebral hemispheres interact? Psychological Bulletin, 116, 195-219. Horton, P.C. (1995). The comforting substrate and the right brain. Bulletin of the Menninger Clinic, 59, 480-486. Kalish, T., Wilimzig, C., Kleibel, N., Tengenhoff, M., & Dinse, H.R.

(2006). Age-related attenuation of dominant hand superiority. PLoSone, 1, 90. Lauerma, H., Niskanen, L., Lehtinen, I., & Holmestrand, R. (1994). Abnormal lateralization of motor activity during sleep in schizophrenia. Schizophrenia Research, 14, 65-71. Lohr, J.B., & Caligiuri, M.P.

  • 1995). Motor asymmetry, a neurobiologic abnormality in the major psychoses.
  • Psychiatry Research, 57 (3), 279-82.
  • Luria, A.R. (1981).
  • Fundamentos de Neuropsicologia,
  • São Paulo: Livros Técnicos e Científicos e Editora da Universidade de São Paulo.
  • Manning, J.T., Chamberlain, A.T. (1991).
  • Left-side cradling and brain lateralization.

Ethology and Sociobiology, 12, 237-244. Manning, J.T., Denman, J. (1994). Lateral cradling preferences in humans (Homo sapiens): Similarities within families. Journal of Comparative Psychology, 108, 262-265. Min, S.K., & Lee, B.O. (1997). Lateralization in somatization.

  • Psychosomatic Medicine, 59, 236-240.
  • Pease, A., & Pease, B. (2000).
  • Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor? Rio de Janeiro: Sextante.
  • Rodway, P., Wright, L., & Hardie, S. (2003).
  • The valence-specific laterality effect in free viewing conditions: the influence of sex, handedness, and response bias.

Brain and Cognition, 53, 452-63. Sieratzki, J.S., & Woll, B. (1996). Why do mothers cradle babies on their left? Lancet, 347, 1746-1748. Sieratzki, J.S., & Woll, B. (2002). Neuropsychological and neuropsychiatric perspectives on maternal cradling preferences.

  1. Epidemiologia e Psichiatria Sociale, 11 (3), 170-176.
  2. Souza-Godeli, M.R. (1996).
  3. Lateral cradling preferences in children.
  4. Perceptual and Motor Skills, 83, 1421-1422.
  5. Tan, M., & Tan, U. (1995).
  6. Possible lateralizationof peripheral nerve conduction associated with gender.
  7. Perceptual and Motor Skills, 81, 939-943.

Teixeira, L.A., & Paroli, R. (2000). Assimetrias laterais em ações motoras: preferências x desempenho. Motriz, 6 (1), 1-8. Tomaszycki, M., Cline, C., Griffin, B., Maestripieri, D., & Hopkines, W.D. (1998). Maternal cradling and infant nipple preferences in rhesus monkeys (Macaca mulatta).

  1. Developmental Psychobiology, 32, 305-312.
  2. Van der Meer, A., & Husby, A. (2006).
  3. Handedness as a major determinant of functional cradling bias.
  4. Laterality, 11, 263-276.
  5. Van Strien, J.W., & Van Beek, S. (2000).
  6. Rating emotion in laterally presented faces: sex and handedness effects.
  7. Brain and Cognition, 44, 645-652.

Zivotofsky, A.Z., Edelman, S., Green, T., Fostick, L., & Strous, R.D. (2007). Hemispheric asymmetry in schizophrenia as revealed through line bisection, line trisection, and letter cancellation. Brain Research, 1142, 70-79. Recebido em: 19/02/2009 Aceito em: 22/11/2011 Endereço para correspondência Katsumasa Hoshino Depto. de Ciências Biológicas Faculdade de Ciências Universidade Estadual Paulista Av. Luiz Edmundo Carrijo Coube, 14-01 17033-360 BAURU – S.P. E-mail: [email protected]

É melhor dormir com ou sem coberta?

Segundo os cientistas, as mantas ativam o nervo vago de uma pessoa, ou seja, o nervo mais longo do corpo que vai do estômago ao crânio. A pressão do cobertor ativa o sistema nervoso parassimpático do corpo e ajuda a ‘desacelerar’ o corpo, cortando a produção de cortisol e aumentando a secreção de serotonina.

Qual a posição correta do travesseiro?

Mitos e verdades sobre os travesseiros Não basta fechar os olhos, tentar esquecer as preocupações e relaxar o corpo. pede uma série de cuidados que vão, desde roupas confortáveis, até um ambiente escuro. No entanto, vale lembrar que os travesseiros também são indispensáveis para um descanso de qualidade, pois são responsáveis pelo apoio da cabeça e por manter a coluna alinhada durante o sono, melhorando a circulação sanguínea e facilitando os estímulos elétricos enviados pelo cérebro aos demais órgãos do corpo. Verdade. A coluna sofre se o apoio for volumoso a ponto de fazer com que o queixo toque o peito. Isso tem o mesmo efeito de dormir de barriga para cima com travesseiro muito alto. Podemos dispensar o travesseiro quando pescoço está muito tenso ou dolorido. Mito. Isso tende a piorar o problema. Sem o travesseiro, a cabeça fica pendurada e força a musculatura. O travesseiro deve apoiar a cabeça em uma altura que se encaixe perfeitamente entre ela e o colchão, formando assim, um ângulo de 90° no pescoço. Não há problemas em trocar o modelo do travesseiro repentinamente. Mito. É comum haver um certo desconforto nos primeiros dias de uso, já que seu organismo está adaptado ao antigo travesseiro. Trata-se de um processo de adaptação natural, que pode levar cerca de 10 a 15 dias. Se o travesseiro estiver adequando ao seu ao biótipo e postura ao dormir, a recomendação é de que se insista no uso.

See also:  Quando Maradona Morreu?

Caso o desconforto persista por mais tempo, provavelmente o travesseiro está muito alto ou muito baixo e seu uso deve ser descontinuado imediatamente. O travesseiro ideal deve ocupar o espaço exato entre a sua cabeça e o colchão, de forma que o pescoço fique alinhado com o restante da coluna, ou seja, ele não deve ficar inclinado nem para cima e nem para baixo.

A melhor posição para dormir é a lateral Verdade. A posição de lado (decúbito lateral) é a mais indicada para dormir, tanto faz se do lado direito ou esquerdo. É aconselhável utilizar dois travesseiros, sendo um, para apoio da cabeça, e o outro, entre os joelhos e os tornozelos. Nesta posição os joelhos devem estar semiflexionados.

Pode-se dormir também de barriga para cima. Nesta posição, deve-se usar um travesseiro para apoio da cabeça (não precisa ser muito alto) e outro sob os joelhos, que verão estar semiflexionados para alinhamento e descanso da lombar. Já a posição de barriga para baixo (ou de bruços) não é recomendada por causar flexão e rotação da coluna nas regiões cervical e lombar, podendo comprometê-la ao longo do tempo.

Se você tem dúvida de qual é o melhor travesseiro pra você, clique na imagem abaixo e saiba mais! Para manter o travesseiro limpo e sem fungos, basta colocá-lo no sol. Mito. O sol é um excelente agente de sanitização superficial. Porém, o travesseiro de espuma é fofo, volumoso e a sua exposição ao sol acabará por gerar um aquecimento e elevar a sua temperatura interna, criando um ambiente ainda mais propício para a proliferação de ácaros, fungos e bactérias, elementos altamente alergênicos. Mito. Poucas pessoas sabem, mas, Um travesseiro, com o uso, acumula grande quantidade de umidade, gordura, pele descamada, suor e outras secreções da cabeça (saliva, coriza, seborreia, lágrimas e cerume), além de perfumes, tinturas e cosméticos em geral.

  1. Todo esse material orgânico encontra-se em um ambiente ideal de proliferação biológica: escuro, úmido e quente.
  2. Um travesseiro sem proteção antimicrobiana, com seis meses de uso, já contém cerca de 300 mil ácaros e, após dois anos, até 25% do seu peso é formado por ácaros vivos, mortos e suas fezes.
  3. Mesmo um travesseiro com tratamento antiácaro, depois de certo tempo, terá sobre as suas células internas grande acúmulo destes dejetos, o que diminui sua eficiência antimicrobiana.

O ideal é trocá-lo a cada dois anos. Pessoas quem tem algum tipo de alergia devem se preocupar com os travesseiros. Verdade. Os ácaros, os fungos e as bactérias habitam um lugar que poucos imaginam: nossa casa e, sobretudo, nossa cama e travesseiros. É importante que pessoas com alergia respiratórias evitem travesseiros de penas, por exemplo. No mercado, já é possível encontrar produtos com tratamento antiácaros. Posso lavar o travesseiro em casa. Mito. Nem todos os travesseiros são laváveis e os consumidores devem estar atentos às especificações do produto antes de molhar ou, até mesmo, entregar o travesseiro para a lavanderia. O processo de lavagem nem sempre é indicado, principalmente, quando não podemos garantir sua secagem completa. Mito. O travesseiro é tão importante quanto o colchão. De nada adianta comprar um colchão adequado ao seu biótipo, se o travesseiro não desempenhar com eficácia a sua função. A sua coluna ficará desalinhada e você não conseguirá relaxar e chegar numa posição confortável, tão necessária para um sono revigorante.

O que é melhor travesseiro alto ou baixo?

Dormir com o travesseiro muito alto ou muito baixo manterá a cabeça inclinada para um dos lados. Isto contrai os músculos do pescoço. Então, a chance de torcicolo é grande. Se prefere dormir de bruços ou de costas, use um travesseiro baixo — ensina Eulálio.

Por que não pode ter espelho no quarto?

Em um quarto de dormir, seja de casal ou solteiro, o espelho não pode de forma alguma refletir a cama e quarto como um todo. Um espelho exposto no quarto irá alterar o equilíbrio energético do ambiente e deixar as pessoas com seu sono alterado para pior. Muitas pessoas ficam estressadas, dormem mal, têm insônia, etc.

Porque não pode dormir com espelho no quarto?

Muita atenção quando for usar espelho num quarto de dormir! Ele não deve ficar de frente para a cama, já que assim reflete os pés de quem está deitado e isso é sinal de má sorte. O espelho também altera o equilíbrio energético do ambiente e pode até prejudicar o sono, trazendo estresse, agitação ou insônia.

Por que não pode dormir na frente do espelho?

Saiba por que razão jamais deve dormir com um espelho em frente à cama D e acordo com Vicky Sweetlove, especialista em Feng Shui, em declarações ao jornal britânico, dormir com um espelho em frente à cama pode gerar inúmeros problemas e distúrbios do sono.

Sweetlove afirma que ocorrências como insónias e pesadelos macabros podem estar associadas à presença desse objeto. Nas palavras da profissional, ter um espelho em frente à cama pode levar a que o cérebro ‘crie’ pesadelos. Segundo Vicky, à noite enquanto dormimos, a alma abandona o corpo, o que significa que se esta visualizar o seu próprio reflexo, poderá assustar-se.

Sendo esta a razão dos pesadelos. Leia Também: E como se não bastasse, a especialista em Feng Shui salienta que a alma pode inclusive confundir o seu ‘corpo real’ com o reflexo no espelho, provocando um fenómeno conhecido como ‘usurpação de alma’. Contudo, refere o Mirror, além dos pesadelos, o espelho também pode causar insónias, ao esgotar a energia dos indivíduos.

Tal, ocorrerá devido aos espelhos duplicarem e devolverem a energia do espaço onde estão inseridos (neste caso o quarto), o que consequentemente pode impedir que durma uma noite de sono tranquila. Vicky Sweetlove conclui: «quando um espelho é colocado em frente à cama, está a espelhar todos os que estão na cama, ou seja é o símbolo de um ‘terceiro’ que se faz presente num relacionamento».

Leia Também: Todas as Notícias. Ao Minuto.Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.

Descarregue a nossa App gratuita.

: Saiba por que razão jamais deve dormir com um espelho em frente à cama

Como devemos dormir segundo a Bíblia?

O Senhor nos faz dormir em segurança | O TEMPO Segundo estatísticas, nós passamos um terço da nossa vida dormindo – considerando a expectativa de vida do brasileiro de 73 anos, o que equivale a 24 anos e três meses dormindo. Em Efésios, capítulo 5, verso 14 diz assim: «Pelo que diz: desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará».

  • Nesse versículo não está falando especificamente sobre o sono físico, mas o sono espiritual.
  • Deus criou o sono, e tudo o que Ele faz é bom, é glorioso.
  • O sono é uma bênção que recebemos de Deus, é um tempo de descanso, de renovo do nosso corpo físico, o que nos ajuda a lidar com as pressões do dia a dia.

Muitas pessoas que não desfrutam da bênção do sono, sofrendo com insônias, o que acaba interferindo da qualidade de vida delas, mas se você tem essa bênção, desfrute dela e confie em Deus para abençoá-lo com o sono. Durante o sono, o Senhor trabalha a nosso favor e mesmo quando não conseguimos dormir, Deus pode ter um propósito em manter-nos acordados.

  1. O Salmo 3, verso 5, diz assim: «Deito-me e pego no sono; acordo, porque o Senhor me sustenta».
  2. Existe na realidade duas bênçãos sobre o sono: a de dormir e a de acordar.
  3. O Senhor nos sustenta, não apenas quando estamos acordados, mas também quando estamos dormindo.
  4. O versículo 8, do Salmo 4, diz assim: «Em paz me deito e logo pego no sono, porque, Senhor, só tu me fazes repousar seguro».

Devemos sempre orar a Deus, pois por meio da oração pode-se dizer que passamos por um «banho» espiritual, somos muitas vezes limpos de mágoas, tristezas e pecados e assim podemos repousar em paz. O salmista disse: «Em paz me deito»; para deitarmos em paz é preciso que estejamos primeiramente em paz com o Senhor e com o nosso próximo.

Quando nos deitamos com o coração cheio de amargura e de culpa, falta de perdão, sem pedir ou dar perdão, o sono não chega. «Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dormem». (Sl 127.2). Deus trabalha a nosso favor.

Muitas vezes acreditamos que estamos trabalhando para Deus, é como um pai que vai ao supermercado com seu filho pequeno e o deixa segurar um lado da sacola. A criança pensa que está carregando o peso, mas quem realmente carrega é o pai. Da mesma forma acontece com Deus em relação a nós.

Achamos que estamos carregando o peso, quando, na verdade, Ele é quem está carregando. «Não te assustarás do terror noturno, nem da seta que voa de dia «. (Salmo 91.5) O que são esses terrores noturnos? São as investidas do diabo, setas do maligno tentando nos atingir. Quando entendemos que a nossa vida está nas mãos do Senhor, os pesadelos, as influências e as setas malignas não nos assustam; essa é uma promessa para o nosso coração.

Querido (a), precisamos escolher viver a realidade da Palavra do Senhor! Em Provérbios, capítulo 3, verso 25, lemos: «Quando te deitares, não temerás; deitar-te-ás, e o teu sono será suave». Quando uma pessoa dorme e tem pesadelos, sonhos tumultuados, acorda mais cansada do que estava antes de dormir.

  • Muitas vezes pregamos sobre Pedro, quando ele negou Jesus e sobre a restauração que recebeu, mas houve um momento em que Pedro foi preso por causa do seu testemunho em seguir Jesus.
  • Enquanto estava na cadeia, acorrentado pelas mãos, do lado de fora se encontravam os soldados de prontidão.
  • Muitos deles perseguiam a Pedro com gritos, mas diz a Palavra que Pedro dormia.

Pedro seria morto no dia seguinte, estava acorrentado com 16 soldados o guardando. Pedro seria morto no outro dia, mas ele dormia tranquilo até que Deus mandou um anjo acordá-lo, e ele foi libertado. Precisamos descansar no Senhor, Ele tem o controle, seja qual for as circunstâncias.

Qual a melhor posição para dormir e emagrecer?

De bruços de barriga para baixo – Esta posição apresenta riscos para o pescoço e coluna, sendo muito pouco recomendada, mesmo que ela possui muitos adeptos. E não é adequado pois tanto a coluna como o pescoço ficam desalinhados.No caso do pescoço, essa posição facilita uma torção e até mesmo dificuldade para respirar.

Para a cabeça: um travesseiro não muito alto, na altura dos ombros, no máximo. Para barriga: este deve ser baixo, de forma similar ao que é usado para a cabeça, assim irá diminuir a curvatura para baixo da coluna.

O que acontece quando dormimos em cima do braço?

Qual o risco? – Como é possível perceber, dormir por mais de quatro horas com o braço por debaixo da cabeça é prejudicial para a circulação sanguínea. São raros os casos em que esse tipo de posição pode gerar algum problema mais grave. Entretanto, interromper o fluxo sanguíneo por muito tempo pode ser perigoso, podendo gerar uma gangrena mínima na região do braço ou dos dedos.

Por isso, é preciso tomar cuidado ao dormir em cima do braço. Embora o seu corpo te avise de possíveis perigos, nem sempre esse tipo de atitude acontece. Afinal, não é nada bom interromper o fluxo sanguíneo, certo? Por mais que a posição possa ser confortável, o ideal é procurar outras mais tranquilas que não comprometam o organismo.

: Dormir por cima do braço faz mal? Entenda!

O que significa dormir de barriga para cima?

2 – Alinha a coluna – Além de manter o rostinho mais jovem, dormir de barriga para cima promove o alinhamento da coluna. Mas atenção: o tipo de travesseiro e colchão contribuem muito para isso. Se eles estiverem muito velhos, essa posição pode se tornar incômoda. Um estudo coreano mostrou que dormir de barriga para cima também alivia dores no pescoço,