Especias Mixtli

Consejos | Trucos | Comentarios

Como Que é O Nome Da Rua?

O que é o nome da rua?

O nome da uma rua é algo tão comum que às vezes nem nos perguntamos de onde vem aquele nome ou quem atribuiu e de que forma isso foi feito. O nome das ruas e bairros de uma cidade é uma forma de identificação que é usada pelos poderes públicos, por empresas e as pessoas em geral.

Como é que é mesmo o nome da rua?

Quem decide? – O nome de uma rua não pode ser dado por qualquer pessoa. Cada tem um órgão, na prefeitura, responsável por isso. Mas todo mundo pode dar sugestões! Os pedidos vão para Câmara Municipal do município, onde os vereadores votam diversos projetos, como mudanças de nomes nas ruas e avenidas.

Como saber o significado do nome da minha rua?

O interessado pode contar com o site www.dicionarioderuas.prefeitura.sp.gov.br para suas pesquisas. O Arquivo Histórico só disponibiliza informações referentes às denominações de logradouros oficializados.

Como botar nome de rua?

Qualquer pessoa pode propor um nome, mas a denominação será feita pela Câmara Municipal ou pelo Executivo. Há uma diferença entre os termos ‘denominação’ e ‘designação’ de um logradouro. A denominação é feita por lei ou decreto e só ocorre quando ele está regular perante o poder público.

Qual é a rua mais chique do Rio de Janeiro?

Avenida Vieira Souto Não é à toa que este é o endereço mais caro do Brasil e da América Latina. De um lado da Avenida Vieira Souto estão as praias de Ipanema e do Leblon, com coqueiros em toda sua extensão, do outro estão os prédios e hotéis de luxo da cidade.

Qual é a função da rua?

Rua é um local público, isto é, todos têm direito de ir e vir por ela. A rua é o caminho utilizado pelas pessoas e por diferentes veículos. Elas possuem calçadas, que são os espaços utilizados para as pessoas andarem. Logo após as calçadas, são construídas as casas.

Qual o nome de rua mais usado no Brasil?

O nome de rua mais usado no País é um numeral: Dois Esqueça fulanos, beltranos e outros figurões. No Brasil, os nomes de ruas mais comuns são os alfanuméricos. De acordo com um levantamento da empresa de análise de crédito ProScore, o nome de logradouro que mais se repete no País é Rua Dois (há 1.534 ocorrências), seguido de perto por Rua Três (1.513 casos) e Rua Um (1.444).

  • Menos «Um» do que «Dois» e «Três»? Isso não significa que os planejadores urbanos não saibam contar.
  • Como essas ruas chamadas por números ou letras são, em geral, ocorrências em novos loteamentos, que ainda serão rebatizadas futuramente, acreditamos que a Rua Um, por ser a principal dentro desses bairros, seja a primeira a receber um nome próprio pela Câmara (dos Vereadores) «, explica Mellissa Penteado, diretora de Marketing da empresa responsável pelo levantamento.

A pesquisa foi feita com base em um banco de dados com 710 mil registros de endereços – de acordo com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, existem no Brasil cerca de 815 mil logradouros. São Paulo. Homenagens a santos e datas comemorativas também são bastante recorrentes.

São José, por exemplo, aparece em 19.º lugar no ranking, com 638 casos. Santo Antonio, com 554 ruas, aparece em 25.º lugar. Sete de Setembro, data em que se comemora a Independência do Brasil, vem em 37.º, com 428 ocorrências. Tiradentes, o mártir da Inconfidência Mineira, tem 384 citações, aparecendo em 42.º lugar na lista.

Ruas de nome São Paulo são 619 no País – 22.ª colocação no ranking. Uma curiosidade: só no Município paulistano há 15 ruas, travessas, avenidas e viadutos com esse nome. Dez homenageiam a própria cidade, quatro são por causa do santo católico e uma, a Rua São Paulo Antigo, no Morumbi, se refere ao livro homônimo do historiador Antonio Egídio Martins.

A primeira rua paulistana a ser denominada São Paulo fica na Liberdade. Oficialmente, foi batizada assim em 1916 – mas já era conhecida pelo nome desde 1897. Na época, aliás, a Praça Almeida Júnior – onde a via começa – se chamava Largo São Paulo. Continua após a publicidade Curiosidades. Cuiabá é a cidade campeã de ocorrências de Ruas Dois e Três, as duas campeãs do ranking.

A capital mato-grossense tem 46 logradouros com cada um desses nomes, que aparecem ainda muito em Belo Horizonte, Campinas e Rio, com cerca de 40 ocorrências para «Dois» e 35 para «Três». No quesito falta de originalidade, destaca-se Aracaju. A capital sergipana tem 107 logradouros com o mesmo nome: Rua B, que ocupa a 4.ª colocação no ranking nacional, com 1.380 repetições.

Confira os 100 nomes de ruas mais recorrentes: 1. RUA DOIS: 1534 ocorrências 2. RUA TRÊS: 1513 ocorrências 3. RUA UM: 1444 ocorrências 4. RUA B: 1380 ocorrências 5. RUA QUATRO: 1370 ocorrências 6. RUA PRINCIPAL: 1308 ocorrências 7. RUA A: 1299 ocorrências 8. RUA C: 1239 ocorrências 9. RUA CINCO: 1217 ocorrências 10.

RUA SEIS: 1077 ocorrências 11. RUA D: 1026 ocorrências 12. RUA SETE: 1011 ocorrências 13. RUA OITO: 931 ocorrências 14. RUA E: 914 ocorrências 15. RUA F: 819 ocorrências 16. RUA NOVE: 806 ocorrências 17. RUA DEZ: 769 ocorrências 18. RUA G: 705 ocorrências 19.

RUA SÃO JOSÉ: 638 ocorrências 20. RUA ONZE: 637 ocorrências 21. RUA H: 627 ocorrências 22. RUA SÃO PAULO: 619 ocorrências 23. RUA DOZE: 593 ocorrências 24. RUA TREZE: 585 ocorrências 25. RUA SANTO ANTONIO: 554 ocorrências 26. AVENIDA BRASIL: 532 ocorrências 27. RUA I: 507 ocorrências 28. RUA 2: 502 ocorrências 29.

RUA 1: 476 ocorrências 30. RUA 3: 460 ocorrências 31. RUA SÃO PEDRO: 458 ocorrências 32. RUA QUINZE: 456 ocorrências 33. RUA SÃO JOÃO: 455 ocorrências 34. RUA J: 453 ocorrências 35. RUA QUATORZE: 452 ocorrências 36. RUA SÃO FRANCISCO: 442 ocorrências 37. RUA SETE DE SETEMBRO: 428 ocorrências 38.

  • RUA 4: 425 ocorrências 39.
  • RUA DEZESSEIS: 423 ocorrências 40.
  • RUA QUINZE DE NOVEMBRO: 394 ocorrências 41.
  • RUA 5: 392 ocorrências 42.
  • RUA TIRADENTES: 384 ocorrências 43.
  • RUA DEZESSETE: 380 ocorrências 44.
  • RUA 6: 378 ocorrências 45.
  • RUA L: 374 ocorrências 46.
  • RUA VINTE: 362 ocorrências 47.
  • RUA BAHIA: 360 ocorrências 48.

RUA AMAZONAS: 359 ocorrências 49. RUA DEZOITO: 357 ocorrências 50. RUA SÃO SEBASTIÃO: 357 ocorrências 51. RUA PARANÁ: 350 ocorrências 52. RUA BELA VISTA: 347 ocorrências 53. RUA M: 347 ocorrências 54. RUA 7: 343 ocorrências 55. RUA SANTA LUZIA: 343 ocorrências 56.

RUA SÃO JORGE: 341 ocorrências 57. RUA DEZENOVE: 333 ocorrências 58. RUA CASTRO ALVES: 331 ocorrências 59. RUA DUQUE DE CAXIAS: 329 ocorrências 60. RUA PROJETADA: 329 ocorrências 61. RUA RUI BARBOSA: 320 ocorrências 62. RUA SANTA CATARINA: 320 ocorrências 63. RUA MINAS GERAIS: 318 ocorrências 64. RUA N: 310 ocorrências 65.

RUA SANTOS DUMONT: 306 ocorrências 66. RUA 8: 302 ocorrências 67. RUA ESPÍRITO SANTO: 298 ocorrências 68. RUA VINTE E UM: 298 ocorrências 69. RUA VINTE E DOIS: 297 ocorrências 70. RUA DA PAZ: 294 ocorrências 71. RUA TREZE DE MAIO: 294 ocorrências 72. RUA K: 290 ocorrências 73.

  • RUA RIO DE JANEIRO: 289 ocorrências 74.
  • RUA GOIÁS: 287 ocorrências 75.
  • RUA CEARÁ: 284 ocorrências 76.
  • RUA 10: 281 ocorrências 77.
  • RUA BELO HORIZONTE: 281 ocorrências 78.
  • RUA DAS FLORES: 279 ocorrências 79.
  • RUA SERGIPE: 279 ocorrências 80.
  • RUA VITÓRIA: 279 ocorrências 81.
  • RUA JOSE BONIFÁCIO: 276 ocorrências 82.

RUA PERNAMBUCO: 276 ocorrências 83. RUA PIAUÍ: 276 ocorrências 84. RUA VINTE E TRÊS: 276 ocorrências 85. RUA 9: 275 ocorrências 86. RUA MATO GROSSO: 275 ocorrências 87. RUA SANTA MARIA: 275 ocorrências 88. RUA DOM PEDRO II: 272 ocorrências 89. RUA PRIMEIRO DE MAIO: 272 ocorrências 90.

RUA PARÁ: 264 ocorrências 91. RUA MARANHÃO: 255 ocorrências 92. RUA ALAGOAS: 252 ocorrências 93. RUA BOA VISTA: 251 ocorrências 94. RUA SÃO LUIZ: 249 ocorrências 95. RUA VINTE E QUATRO: 249 ocorrências 96. RUA PARAÍBA: 244 ocorrências 97. RUA 12: 241 ocorrências 98. RUA O: 239 ocorrências 99. RUA SANTA RITA: 239 ocorrências 100.

RUA 11: 237 ocorrências Publicado originalmente na edição impressa do Estadão, dia 28 de fevereiro de 2012 : O nome de rua mais usado no País é um numeral: Dois

See also:  Qual O Signo De Janeiro?

Quantas ruas existem no Brasil?

O que é – Base de dados geoespacial das linhas que representam graficamente os arruamentos das áreas urbanas, de extensão urbana e de aglomerados rurais dos municípios brasileiros. Além da informação gráfica há atributos que remetem ao nome dos logradouros, à estrutura territorial e ao Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticos – CNEFE.

A Base de Faces é totalmente atualizada a cada Censo Demográfico e, entre Censos passa por processo contínuo e acumulativo de atualizações pontuais de acordo com o avanço das pesquisas da instituição e de acordo com ações de campanhas específicas de campo realizadas por equipes da Rede de Coleta nas Agências das Unidades Estaduais do IBGE.

Na versão atual chega a 13.688.342 segmentos de linhas correspondentes às faces de logradouros, representados constituindo fundamental fonte para retratar o território brasileiro e refletir sobre suas dinâmicas, apoiar tomada de decisões e a implementação de políticas públicas com maior eficiência.

É utilizada pelo IBGE para planejar e realizar levantamentos de dados do Censo e Pesquisas Estatísticas como Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua e a Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF, entre outras, contemplando todos os municípios brasileiros, especialmente, suas cidades e vilas.

A construção dessa base de dados teve início com a migração de dados legados dos Censos 2007 (Agropecuário e Contagem da População), acrescidos de dados vetoriais através de acordos com prefeituras e/ou contratação de empresas privadas, Censo Demográfico 2010, Censo Agro 2017 e de atualizações pontuais a partir de levantamentos de campo para a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios, unificando os mapeamentos utilizados nestas operações.

Quantas ruas Tiradentes existem no Brasil?

No Brasil, os nomes de ruas mais utilizados so os alfanumricos. Levantamento Bureau de Informao e Anlise de Crdito, a partir de sua base de dados com mais de 710 mil registros de ruas, apurou que o logradouro mais comum no pas «Rua Dois», com mais de 1.534 ruas, seguido de perto pela «Rua Trs», com 1513 ruas.

  • De acordo com a Empresa Brasileira de Correios e Telgrafos, no Brasil existem aproximadamente 815 mil em seus 5.564 municpios.
  • Curiosamente a cidade que mais usa o nome «Rua Dois» e «Rua Trs» a mesma: Cuiab, com 46 logradouros cada.
  • As demais cidades so Belo Horizonte, Campinas e Rio de Janeiro, com uma mdia de 41 logradouros para a «Rua Dois» e 36 logradouros para «Rua Trs».

J a cidade campe em repetio de nomes de rua Aracaju, com 107 ruas B. No ranking geral, a rua B aparece em quarto lugar com 1380 repeties. Homenagem a santos, datas comemorativas e personalidades tambm so bastante utilizados para nomear ruas. So Jos em 19º lugar tem 638 logradouros; Santo Antnio em 25º lugar possui 554 ruas; Sete de Setembro ocupa a 37º posio com 428 ruas; e Tiradentes fica em 42º lugar com 384 ruas.

É possível mudar o nome de uma rua?

Conforme estabelecido pela legislação atual, é proibido alterar o nome de qualquer rua, praça, bairro e outros próprios públicos que tenha sido oficialmente outorgado há mais de 10 anos.

Qual o significado do nome de Ravi?

Ravi: Significa ‘o Sol’. Tem origem no nome sânscrito Ravi, que significa ‘o Sol’.

Como são criados os nomes?

De onde vem o nome das coisas? – Blog Saúde Infantil 14/07/2015 14365 2 Você sabe por que a cadeira tem esse nome? E a garrafa? Descubra aqui por que colocamos nomes nas coisas e de onde eles surgem! Quando nascemos, a maioria das coisas que conheceremos e farão parte do nosso dia a dia já possui um nome próprio.

Ainda crianças, procuramos entender a relação do nome com o objeto. Vai ser difícil você encontrar algo que já não tenha sido nomeado. Esse processo de nomear as coisas existe desde que nós seres humanos desenvolvemos a habilidade da fala pela primeira vez. Falar nada mais é do que substituir gestos e imagens, tornando a comunicação mais rápida e clara entre as pessoas.

Para isso é necessário que todos, tanto o falante quanto o ouvinte, saibam descifrar o código da fala, ligando cada palavra ao seu significado. Vamos criar uma historinha? Um bebê que ainda não aprendeu a falar está com fome, que ele faz? Por ainda não conhecer a palavra «leite», ele tenta falar isso para sua mamãe chorando, pois articular as silabas ainda é muito difícil para ele.

Conforme nosso bebê cresce, ele desenvolve outros meios de comunicação: usando a cabecinha e as mão para dizer sim e não e, mais tarde, podendo até desenhar objetos mesmo sem ter escutado seu nome. Assim é como nós tentamos falar, quando nos faltam palavras. Você ainda se lembra de quando não conseguia pronunciar palavras como «inconstitucionalissimamente»? Até que de repente: bum! As palavras saem cada vez em maior número e mais claras.

Podemos, finalmente, interagir melhor com os pais e com o mundo. Nosso bebê cresceu e virou um garoto muito esperto. Sempre que ele encontra algo de novo, que nem o dicionário deu conta, ele logo inventa um nome. De repente, de tanto ele usar a nova palavra para o novo objeto, sua família e seus amigos comecem, também, a chamá-lo pelo nome inventado.

Não é divertido dar nome às coisas sem nome? Quando nós fazemos isso, estamos tomando posse daquele objeto, que acabará participando de nossa cultura e de nossas vidas. Por isso, alguns dizem até que nomear é fazer algo existir em nosso mundo. Mas, você deve estar se perguntando de onde surgiram esses nomes que nós já conhecemos! Na verdade, não se sabe ao certo como se originaram os primeiros nomes.

Como já foi falado, nossa necessidade de nomear vem de épocas pré-históricas, quando os primeiros homens começaram a se comunicar uns com os outros. O que se sabe é que os primeiros nomes podem ter sido formados pelo som que cada animal, objeto ou pessoa fazia.

  1. Um exemplo claro disso é a arara.
  2. Uma ave que, provavelmente, ganhou seu nome quando, pela primeira vez, um índio a escutou conversando em «ararês» com suas vizinhas tagarelas na floresta.
  3. Os seres humanos não são menos falantes do que as araras, então, com o passar do tempo, novas palavras foram sendo formadas, usadas, emprestadas e reinventadas.

Esse processo acontece ainda hoje. Você percebe como muitos vovôs e vovós usam palavras diferentes? Isso acontece porque cada povo e geração age sobre sua língua, tornando-a cada vez mais viva. O fato é que é mesmo maravilhoso brincar com o nome das coisas e criar novos nomes a partir disso.

Pode colocar nome de pessoa viva em rua?

Art.1º É proibido, em todo o território nacional, atribuir nome de pessoa viva a bem público, de qualquer natureza, pertencente à União ou às pessoas jurídicas da Administração indireta.

Porque 7 de Setembro e nome de ruas avenidas e praças nas cidades brasileiras?

A ideia central deste texto é debater como a memória de nossas ruas, avenidas, praças e monumentos r emetem a registros históricos ou mesmo referenciais e contam parte da nossa construção enquanto sociedade e civilização. Na maioria das vezes o grande problema é sob qual perspectiva essa história é contada e quais são os seus protagonistas.

Muitos foram os fatores que influenciaram a nomenclatura dos espaços públicos. Diversas denominações que remetem as cidades mais antigas tinham relação com referências comerciais, religiosas e até geográficas dos seus grandes centros: Rua Larga, Rua da Quitanda, Rua do Ouvidor, Rua da Nossa Senhora do Carmo e Rua São Bento no Rio de Janeiro.

Influências e acontecimentos políticos e históricos levaram a mudanças, mas, muitas vezes, a manifestação popular é que fez a diferença ao batizar e legitimar novos usos em seu cotidiano. No colonialismo (do descobrimento à 1815, quando o Brasil foi elevado a reino unido português) era uma tradição conhecer uma rua pelo seu morador mais ilustre como por exemplo, Mem de Sá, nobre e administrador colonial português.

Outras por algum traço distintivo ou data de episódio marcante do local, como temos relação à Rua Sete de Setembro ou como era inicialmente chamada, A Rua do Cano, que era o caminho aberto para levar até o mar as águas estagnadas da Lagoa de Santo Antônio. Só em 1856 foi rebatizada como Sete de Setembro, em comemoração à data de Independência do Brasil.

A responsabilidade institucional da época e ainda hoje segue sendo das Câmaras Municipais que votam e instituem os nomes dos logradouros, assim como também as suas modificações. Como nossa história segue e somos atravessados por novos questionamentos, novos acontecimentos e inclusive novas políticas é sempre bom observarmos esses lugares e que personalidades são estas que estão sendo enaltecidas.

  1. Um dos questionamentos e distopias que diz respeito ao período histórico com relação aos nomes é a questão do gênero.
  2. Cerca de 82% dos nomes de espaços públicos fazem menção a homens.
  3. Em muito, isso reflete a participação da mulher na vida pública, que é uma conquista mais recente, visto que apenas homens eram reconhecidos como figuras notáveis e representativas.
See also:  O Que óRgãO Emissor Do Rg?

Ainda assim, em sua maioria, muitas das representações de mulheres na nomenclatura fazem menção religiosa à santas ou integrantes de ordens religiosas. No Rio de Janeiro, como forma de criar mais equidade nessas medidas, uma lei municipal de 1999 tornou obrigatória a alternância de gêneros para a nomeação de logradouros em igual proporção, mas a disparidade ainda segue grande.

  1. Até 2018, apenas 15% das ruas da cidade possuem nomes femininos.
  2. Leia mais: Artigo | Negro, pobre, gago, epilético: Machado de Assis teve quase tudo contra si Ainda na linha do tempo, se pensarmos no período ditatorial no Brasil, estes homenageiam diversas obras e locais referidos à grandiosidade, como é o caso da Avenida Castelo Branco e da Ponte Costa e Silva (nome oficial da Ponte Rio-Niterói) que comemoram o regime militar e seus generais.

Este ponto também nos leva a entender a diferenciação da posição geográfica dos personagens deste período, pois do outro lado da história também existem menções às vítimas e figuras politicamente perseguidas, mas estes locais de memória e resistência se limitam as áreas mais periféricas e pobres, como é o caso do bairro operário de Bangu.

Ruas de memória Em São Paulo foi criado o programa «Ruas de Memória», por meio da Secretaria de Direitos Humanos. Este consiste em suprir uma demanda de pessoas desaparecidas, torturadas e mortas durante o período da ditadura e visa ressignificar o espaço público e quem os protagonizam hoje. Além de discutir o legado da ditadura, o projeto tinha como pilar a construção de uma cidadania diferente.

Uma de suas idealizadoras, Clara Castellano, afirmou: «A ditadura trouxe também o esvaziamento do espaço público e, com as perseguições políticas, reforçou a cultura do medo. A cidade ficou vazia. O projeto é uma forma de trazer a ocupação e ressignificação desses espaços».

  • Em contraponto o professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU-USP) e presidente do Instituto Pólis, Renato Cymbalista afirma que projetos como esse demonstram que finalmente o país está enfrentando a «herança maldita» da ditadura militar.
  • O nome das ruas tem um significado simbólico muito grande: significa um consenso social de que esta pessoa deve ser homenageada e sua memória perpetuada.

Instituir como nomes de ruas pessoas envolvidas na ditadura significa a legitimação de tais crimes. As ruas devem ser renomeadas, mas não devemos esquecer que elas já tiveram esses nomes por décadas. É importante marcarmos que durante décadas a nossa sociedade não se incomodou em dar nomes de ruas, avenidas, aeroportos a personalidades envolvidas com a violação grave de direitos.» Tudo isto aponta para um debate que não é novo na pauta da identidade dos nossos espaços públicos, mas apresenta a urgência da mudança e reparação, nos pautando na história e, principalmente, no que ela nos revela enquanto narrativa muitas vezes falseada no projeto político de soberania nacional.

Qual a rua mais famosa de Copacabana?

A Avenida Atlântica é a Avenida mais famosa do Rio de Janeiro. Situada no bairro de Copacabana, é aqui que acontecem os maiores eventos da cidade, como os fogos do Ano Novo e os mais variados shows e disputas esportivas.

Qual é a rua mais linda do Brasil?

Rua do Bom Jesus é a mais bonita do Brasil e a quarta do mundo, diz revista. A Rua do Bom Jesus também frequenta a lista anual da revista norte-americana Architectural Digest desde 2019.

Qual é o bairro mais tranquilo do Rio de Janeiro?

A Zona Sul é composta por bairros como Ipanema, Leblon, Lagoa e Jardim Botânico, que são conhecidos por sua atmosfera cosmopolita e por seus belos morros e praias. Estes bairros são considerados os mais seguros da cidade, e oferecem uma ampla gama de opções de entretenimento, como restaurantes, bares e lojas.

Qual é o tipo de rua?

Quais são os tipos de vias? – As vias de trânsito são essenciais na vida das pessoas e no dia a dia trafegamos por diversas delas. Contudo, elas podem parecer confusas de identificar. Os principais tipos são conhecidos como vias urbanas e rurais. Primeiro, temos as urbanas, divididas em quatro grupos: via de trânsito rápida, local, coletora e arterial; já as rurais, são compostas por estradas e rodovias.

Como chama quem trabalha na rua?

O vendedor ambulante é uma profissão que existe há muitos anos e se tornou uma alternativa para quem está desempregado. A atividade, porém, não é considerada apenas por quem está fora do mercado. Existem pessoas que construíram uma carreira como vendedores, conquistando clientes fiéis e até passaram a profissão para outras gerações da família.

Você está procurando uma forma de ter renda extra ou deseja atuar como vendedor ambulante? Ainda que seja possível trabalhar por conta própria, a atividade também exige o cumprimento de algumas regras. Neste conteúdo, listamos informações que são necessárias para quem quer ser um vendedor ambulante e atuar de forma legal e com todo cuidado à saúde.

Acompanhe!

O que diferencia uma rua de uma avenida?

Enquanto o Dicionário Aurélio define a rua como uma ‘via pública paracirculação urbana, total ou parcialmente ladeada de casas’ e a avenidacomo ‘via urbana mais larga do que a rua, em geral com diversas pistaspara circulação de veículos’, cada município brasileiro tem autonomiapara nomear seus logradouros.

Quantas ruas têm o estado de São Paulo?

Continua após publicidade Marcos Nogueira A maior cidade do país tem precisamente 48 623 logradouros, segundo dados atualizados em fevereiro pela prefeitura. Por logradouro, entende-se qualquer via pública – de becos a avenidas, de passagens subterrâneas a viadutos.

  • Esse número não leva em conta as ruas que ainda não foram cadastradas, que são muitas.
  • Para que uma rua passe a existir oficialmente, é preciso que o Diário Oficial do Município publique um decreto assinado pelo prefeito (no caso, a prefeita Marta Suplicy)», diz Rui de Azevedo, diretor do departamento municipal responsável pelo cadastro de logradouros.

Segundo Rui, surgem entre 50 e 100 novas vias públicas na cidade todos os anos. «Com as que são renomeadas, fazemos cerca de 600 atualizações anuais», afirma Rogério Spegni, editor do Guia 4 Rodas Ruas São Paulo, que na edição 2004 traz as plantas de 91 mil logradouros da região metropolitana.

Haja criatividade para dar nomes a tantas ruas. Cada via tem uma história, mas a maioria dos paulistanos não faz idéia de o que significam as palavras impressas na tabuleta da rua de sua casa. Essas informações, antes escondidas nos gaveteiros do Arquivo Histórico Municipal, agora estão disponíveis de graça na internet.

No site História das Ruas de São Paulo, é possível digitar o nome de um logradouro da cidade e descobrir o que ele quer dizer. «O acervo começou a ser organizado em 1936, quando o escritor Mário de Andrade dirigia o Departamento de Cultura, atual Secretaria Municipal de Cultura», diz Luís Soares de Camargo, diretor do Arquivo.

  1. A equipe de Luís digitou as fichas datilografadas desde então e foi atrás dos nomes que não constavam no acervo.
  2. Fazemos de 20 a 30 atualizações diárias», diz o historiador.
  3. Já há 50 mil nomes catalogados.» Isso é mais que o número de logradouros da cidade, por um simples motivo: o site lista ruas que não existem mais ou mudaram de nome.

Para saber mais Na internet: https://www.dicionarioderuas.com.br, História das Ruas de São Paulo

Como são criados os nomes?

De onde vem o nome das coisas? – Blog Saúde Infantil 14/07/2015 14365 2 Você sabe por que a cadeira tem esse nome? E a garrafa? Descubra aqui por que colocamos nomes nas coisas e de onde eles surgem! Quando nascemos, a maioria das coisas que conheceremos e farão parte do nosso dia a dia já possui um nome próprio.

  • Ainda crianças, procuramos entender a relação do nome com o objeto.
  • Vai ser difícil você encontrar algo que já não tenha sido nomeado.
  • Esse processo de nomear as coisas existe desde que nós seres humanos desenvolvemos a habilidade da fala pela primeira vez.
  • Falar nada mais é do que substituir gestos e imagens, tornando a comunicação mais rápida e clara entre as pessoas.
See also:  Qual O Estado Mais Pobre Do Brasil?

Para isso é necessário que todos, tanto o falante quanto o ouvinte, saibam descifrar o código da fala, ligando cada palavra ao seu significado. Vamos criar uma historinha? Um bebê que ainda não aprendeu a falar está com fome, que ele faz? Por ainda não conhecer a palavra «leite», ele tenta falar isso para sua mamãe chorando, pois articular as silabas ainda é muito difícil para ele.

Conforme nosso bebê cresce, ele desenvolve outros meios de comunicação: usando a cabecinha e as mão para dizer sim e não e, mais tarde, podendo até desenhar objetos mesmo sem ter escutado seu nome. Assim é como nós tentamos falar, quando nos faltam palavras. Você ainda se lembra de quando não conseguia pronunciar palavras como «inconstitucionalissimamente»? Até que de repente: bum! As palavras saem cada vez em maior número e mais claras.

Podemos, finalmente, interagir melhor com os pais e com o mundo. Nosso bebê cresceu e virou um garoto muito esperto. Sempre que ele encontra algo de novo, que nem o dicionário deu conta, ele logo inventa um nome. De repente, de tanto ele usar a nova palavra para o novo objeto, sua família e seus amigos comecem, também, a chamá-lo pelo nome inventado.

Não é divertido dar nome às coisas sem nome? Quando nós fazemos isso, estamos tomando posse daquele objeto, que acabará participando de nossa cultura e de nossas vidas. Por isso, alguns dizem até que nomear é fazer algo existir em nosso mundo. Mas, você deve estar se perguntando de onde surgiram esses nomes que nós já conhecemos! Na verdade, não se sabe ao certo como se originaram os primeiros nomes.

Como já foi falado, nossa necessidade de nomear vem de épocas pré-históricas, quando os primeiros homens começaram a se comunicar uns com os outros. O que se sabe é que os primeiros nomes podem ter sido formados pelo som que cada animal, objeto ou pessoa fazia.

  1. Um exemplo claro disso é a arara.
  2. Uma ave que, provavelmente, ganhou seu nome quando, pela primeira vez, um índio a escutou conversando em «ararês» com suas vizinhas tagarelas na floresta.
  3. Os seres humanos não são menos falantes do que as araras, então, com o passar do tempo, novas palavras foram sendo formadas, usadas, emprestadas e reinventadas.

Esse processo acontece ainda hoje. Você percebe como muitos vovôs e vovós usam palavras diferentes? Isso acontece porque cada povo e geração age sobre sua língua, tornando-a cada vez mais viva. O fato é que é mesmo maravilhoso brincar com o nome das coisas e criar novos nomes a partir disso.

Porque 7 de Setembro e nome de ruas avenidas e praças nas cidades brasileiras?

A ideia central deste texto é debater como a memória de nossas ruas, avenidas, praças e monumentos r emetem a registros históricos ou mesmo referenciais e contam parte da nossa construção enquanto sociedade e civilização. Na maioria das vezes o grande problema é sob qual perspectiva essa história é contada e quais são os seus protagonistas.

  • Muitos foram os fatores que influenciaram a nomenclatura dos espaços públicos.
  • Diversas denominações que remetem as cidades mais antigas tinham relação com referências comerciais, religiosas e até geográficas dos seus grandes centros: Rua Larga, Rua da Quitanda, Rua do Ouvidor, Rua da Nossa Senhora do Carmo e Rua São Bento no Rio de Janeiro.

Influências e acontecimentos políticos e históricos levaram a mudanças, mas, muitas vezes, a manifestação popular é que fez a diferença ao batizar e legitimar novos usos em seu cotidiano. No colonialismo (do descobrimento à 1815, quando o Brasil foi elevado a reino unido português) era uma tradição conhecer uma rua pelo seu morador mais ilustre como por exemplo, Mem de Sá, nobre e administrador colonial português.

  • Outras por algum traço distintivo ou data de episódio marcante do local, como temos relação à Rua Sete de Setembro ou como era inicialmente chamada, A Rua do Cano, que era o caminho aberto para levar até o mar as águas estagnadas da Lagoa de Santo Antônio.
  • Só em 1856 foi rebatizada como Sete de Setembro, em comemoração à data de Independência do Brasil.

A responsabilidade institucional da época e ainda hoje segue sendo das Câmaras Municipais que votam e instituem os nomes dos logradouros, assim como também as suas modificações. Como nossa história segue e somos atravessados por novos questionamentos, novos acontecimentos e inclusive novas políticas é sempre bom observarmos esses lugares e que personalidades são estas que estão sendo enaltecidas.

Um dos questionamentos e distopias que diz respeito ao período histórico com relação aos nomes é a questão do gênero. Cerca de 82% dos nomes de espaços públicos fazem menção a homens. Em muito, isso reflete a participação da mulher na vida pública, que é uma conquista mais recente, visto que apenas homens eram reconhecidos como figuras notáveis e representativas.

Ainda assim, em sua maioria, muitas das representações de mulheres na nomenclatura fazem menção religiosa à santas ou integrantes de ordens religiosas. No Rio de Janeiro, como forma de criar mais equidade nessas medidas, uma lei municipal de 1999 tornou obrigatória a alternância de gêneros para a nomeação de logradouros em igual proporção, mas a disparidade ainda segue grande.

Até 2018, apenas 15% das ruas da cidade possuem nomes femininos. Leia mais: Artigo | Negro, pobre, gago, epilético: Machado de Assis teve quase tudo contra si Ainda na linha do tempo, se pensarmos no período ditatorial no Brasil, estes homenageiam diversas obras e locais referidos à grandiosidade, como é o caso da Avenida Castelo Branco e da Ponte Costa e Silva (nome oficial da Ponte Rio-Niterói) que comemoram o regime militar e seus generais.

Este ponto também nos leva a entender a diferenciação da posição geográfica dos personagens deste período, pois do outro lado da história também existem menções às vítimas e figuras politicamente perseguidas, mas estes locais de memória e resistência se limitam as áreas mais periféricas e pobres, como é o caso do bairro operário de Bangu.

Ruas de memória Em São Paulo foi criado o programa «Ruas de Memória», por meio da Secretaria de Direitos Humanos. Este consiste em suprir uma demanda de pessoas desaparecidas, torturadas e mortas durante o período da ditadura e visa ressignificar o espaço público e quem os protagonizam hoje. Além de discutir o legado da ditadura, o projeto tinha como pilar a construção de uma cidadania diferente.

Uma de suas idealizadoras, Clara Castellano, afirmou: «A ditadura trouxe também o esvaziamento do espaço público e, com as perseguições políticas, reforçou a cultura do medo. A cidade ficou vazia. O projeto é uma forma de trazer a ocupação e ressignificação desses espaços».

Em contraponto o professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU-USP) e presidente do Instituto Pólis, Renato Cymbalista afirma que projetos como esse demonstram que finalmente o país está enfrentando a «herança maldita» da ditadura militar. «O nome das ruas tem um significado simbólico muito grande: significa um consenso social de que esta pessoa deve ser homenageada e sua memória perpetuada.

Instituir como nomes de ruas pessoas envolvidas na ditadura significa a legitimação de tais crimes. As ruas devem ser renomeadas, mas não devemos esquecer que elas já tiveram esses nomes por décadas. É importante marcarmos que durante décadas a nossa sociedade não se incomodou em dar nomes de ruas, avenidas, aeroportos a personalidades envolvidas com a violação grave de direitos.» Tudo isto aponta para um debate que não é novo na pauta da identidade dos nossos espaços públicos, mas apresenta a urgência da mudança e reparação, nos pautando na história e, principalmente, no que ela nos revela enquanto narrativa muitas vezes falseada no projeto político de soberania nacional.